FOTOS e VÍDEO: Ariana Grande é capa da edição de Agosto da revista ELLE
16.07.18






Pronta para lançar sem quarto álbum, “Sweetener“, Ariana Grande estampa capa da revista ELLE do mês de Agosto. Na entrevista, a cantora abre seu coração e fala sobre o seu novo álbum, a música “Get Well Soon”, feita em parceria com Pharrell Williams, que aborda como Ariana estava se sentindo depois do atentado em Manchester, seu noivo e mais. Confira as fotos, vídeo e entrevista traduzida abaixo:

Ariana Grande está aqui para salvar os EUA
Para os seus milhões de fãs, Grande é a luz guia de feminilidade – e feminismo – descarado.

Ariana Grande é uma estrela. Uma estrela gigante. Para os milhões de Arianators, como seus fãs são conhecidos, ela é a força radiante e que dá vida quando eles acordam de manhã até irem para cama à noite. Eles acompanharam as fases da sua carreira desde quando ela surgia na Broadway (no musical ‘13’), para a TV (‘Brilhante Victória’ e ‘Sam & Cat’, da Nickelodeon), até o ápice do estrelato pop e sucesso comercial (oito singles multiplatinados, 9 bilhões de visualizações nos seus clipes no YouTube). Eles contribuíram com os mais de 100 milhões de dólares que suas turnês faturaram, caindo no gosto de Drake e Sting, na sombra de um metro e meio, pequena mas longa, de Ariana. Eles estão entre os 121 milhões de seguidores de Ariana, a tornando a terceira pessoa mais seguida da rede social, acima tanto de Kim Kardashian quanto Beyoncé. Quando seu álbum mais recente, Sweetener, sair em 17 de agosto, os Arianators já terão ajudado seu primeiro single, “No Tears Left to Cry,” a quebrar recordes alcançados por ninguém menos que a própria Ariana.

FOTOS: CAPA

000~21.jpg capa.jpeg 000~21.jpg capa.jpeg 000~21.jpg
Quem os chama é a voz melosa de quatro oitavas que Ariana tem. Mas eles também são atraídos pelo seu brilho: os vestidos estilo abajur e patinadora no gelo. As orelhinhas de gato, coelho e Minnie Mouse que ela frequentemente usa sem cerimônia. No Twitter, ela fala com seus fãs fluentemente na linguagem da internet, conversando à vontade com emojis de macaquinhos e formando sentenças completas apenas com siglas. Em poucas semanas, ela foi de encontros casuais com Pete Davidson, do Saturday Night Live, para um noivado. A relação deles nasceu, em partes, a partir do fandom de Harry Potter (ele: Grifinória, ela: Sonserina). No Instagram, eles flertam sem culpa, como se ninguém estivesse vendo (todos estão). E também, é claro, sua marca registrada, o rabo de cavalo, a direção, altura e tonalidade que os Arianators rastreiam como uma civilização antiga acompanhando a lua. Para quem olha casualmente, a aparência da cantora pode parecer juvenil, até mesmo de forma absurda, mas há uma subversão na maneira infantil com que Ariana se porta. Sua figura brilhante e reluzente esconde uma personagem de muitas nuances. Ela está em terapia por mais de 10 anos, desde quando seus pais se divorciaram, e assim sendo trafega em autoconsciência. “É um trabalho,” ela me conta, sentada no sofá da suíte do seu hotel com vista para o Central Park. “Eu sou uma mulher de 25 anos. Mas eu já passei vários dos últimos anos crescendo em circunstâncias muito extremas. E eu sei como essa história continua…” Corta para uma estrela mirim antiga em uma foto na cadeia. E um escândalo.

Ela tem assistido muito [o programa] Planet Earth ultimamente. “Você já viu aqueles peixes com cabeças transparentes? Eles são alienígenas! É isso que eles são! São mesmo.” Ela me leva para uma “longa jornada” encantada com o espaço sideral. Mas nas suas reflexões intergalácticas estão a procura por uma perspectiva: “Os planetas, as estrelas, não há nada que nos torne mais humildes que isso. Nós nos estressamos tanto com coisas pequenas quando, em um panorama geral, nós somos apenas um punhado de poeira nesse planeta minúsculo nesse sistema solar enorme que também é um cisco perto de um buraco negro gigante e misterioso, que nós nem sabemos o que é!” Ela respira. “Pensar sobre como somos pequenos, é maluco. Nós não somos nada.”

Não que Ariana seja cética. Ela fala da força da comunidade nesses “tempos difíceis, bárbaros e caóticos em que vivemos” e aponta como a nação está dividida. Ela convoca uma ação: “Todos têm que ter conversas desconfortáveis com seus parentes. Em vez de desfazer a amizade com alguém no Facebook que compartilha uma visão política diferente, comente! Converse! Tente espalhar a porra da luz.” Ela se torna alguma heroína feminista pela sua habilidade de calar o machismo e misoginia com um único tweet. No mais recente, a respeito do seu ex, o rapper Mac Miller, que supostamente dirigiu bêbado e bateu seu carro pouco tempo após o término dos dois. Um perfil no Twitter sugeriu que seria culpa de Ariana. “Quão absurdo é que você minimize o respeito próprio e autoestima femininos dizendo que alguém deveria continuar em um relacionamento tóxico,” ela escreveu. “Envergonhar/culpar mulheres pela incapacidade de um homem de se controlar é um grande problema… Por favor, pare de fazer isso.” O usuário se desculpou. Ela aceitou.

FOTOS: ENSAIO

002~83.jpg 004~69.jpg 003~67.jpg 006~46.jpg 007~40.jpg

Eu encontrei Ariana em uma tarde ensolarada de maio. Seu cabelo estava arrumado no que eu chamarei de três-vias – dois rabos de cavalo platinados indo até o topo de cada lado da sua cabeça, e uma terceira parte feita de extensões descendo por suas costas. Eu pergunto se ela está, de fato, comunicando-se com seus fãs através de seu cabelo. “Eu nunca pensei dessa forma,” ela diz, girando uma das tranças. “Mas talvez haja uma conexão telepática, sim.” De qualquer forma, seu rabo de cavalo favorito é “o alto, liso e escuro. Mas ele tem várias formas. Muitas mesmo. Há diferentes jeitos de usá-lo.” Incluindo perucas totalmente sem rabo de cavalo, como a que ela usou para o ensaio da Elle. (Palmas para o seu cabeleireiro, Josh Liu, por arrumar os fios difíceis de controlar, por horas.)

Na noite anterior, Ariana compareceu ao seu primeiro Met Gala em um vestido de Vera Wang que deixou seus fãs frenéticos. O “sonho fofinho,” como ela chama, conta com a pintura de Michelangelo, “O Último Julgamento,” da Capela Sistina, e foi “uma prévia, uma dica,” do seu próximo vídeo para “God Is a Woman.” O segundo single é a música favorita da sua avó, Nonna, de 92 anos, no álbum novo. Apenas pelo nome, eu pensei que a faixa seria um hino alto astral perfeito para a Marcha das Mulheres, algo parecido com “Roar” de Katy Perry com batidas R&B. Eu ouvi algumas semanas depois. Meu Deus, como estava errada. Digamos que é mais sobre trabalhar na cama que no escritório. Nonna, você é tão danadinha!

Traços astutos e travessos correm pelas veias maternais de Ariana. “É uma coisa italiana, nós temos um humor negro,” ela diz. Nonna adora [o jogo] Cartas Contra a Humanidade (um exemplo de carta: “Pedaços de uma prostituta morta”). E para o aniversário de quatro anos de Ariana, sua mãe, Joan, deu uma festa com o tema do filme “Tubarão”. “A maioria das crianças estava correndo, gritando, porque eu coloquei o filme em uma tela gigante,” Joan relembra. “Os pais diziam, ‘Está maluca? Nossas crianças não assistem isso!’ Mas era o filme favorito [de Ariana].” Joan é uma chama de fala mansa. Nascida no Broklyn, a mulher de 61 anos que estudou em Barnard era “gótica antes de gótica ser gótica,” ela diz, e nomeia Poe e Hawthorne como suas companhias favoritas na faculdade. Na casa em Boca Raton, Flórida, ela fez a alegria macabra de Ariana e seu meio irmão mais velho, Frankie. O Halloween era tão importante quando o Natal. “Eu ia no açougue, comprava corações ou pulmões, e depois ia até eles, ‘Ariana, Frankie, isso é um coração.’ As crianças pintavam com sangue nas paredes. Eu lembro das marquinhas das mãos de Ariana.”

A família ia à Disney regularmente, onde Ariana se atraía pelas malvadas tipo Cruella de Vil e Malévola. “Se tivéssemos que escolher entre ir na loja das princesas ou das vilãs, sempre escolhíamos as vilãs,” Joan conta. É importante dizer que as maiores brigas entre mãe e filha “tinham a ver com garotos.”

Aos oito meses grávida de Ariana, Joan se mudou de Nova Jersey para Flórida para abrir uma empresa de equipamentos de comunicação marítimos, que ela ainda comanda e opera. Pelo telefone no seu escritório, ela explica que ela e sua irmã mais velha, Judy, sempre questionaram o status quo. Ariana as chama de “rainhas feministas completas.” Judy era amiga de Gloria Steinem [escritora e ativista feminista] e foi a primeira ítalo-americana presidente do Clube Nacional de Imprensa. Quando Joan montou sua empresa, ela a fez pensando nas mães trabalhadoras: “Eu fiz esse prédio com uma área de creche. Eu realmente fiz questão. Os empregados traziam suas crianças, e Ariana ficava aqui quase todo dia.” Eu pergunto se ela já cogitou largar seu trabalho, dado o sucesso astronômico de sua filha. Uma pergunta estúpida. “Nós somos muito próximas,” ela fala sobre a relação das duas. “Mas eu não vivo minha vida através da vida dela. Eu tenho uma carreira incrível. Eu trabalho porque isso me realiza como pessoa. Porque eu sou a Joan, e não Ariana ou Frankie. Eu nunca vou querer perder a Joan em algum lugar pelo caminho.”

FOTOS: BASTIDORES

36555498_1120112684809806_4644401226702651392_n.jpg 36589769_492293684578696_281681027766681600_n.jpg  36745232_2014835605493922_5079065411845095424_n.jpg 36589769_492293684578696_281681027766681600_n.jpg 36555498_1120112684809806_4644401226702651392_n.jpg

Tem um buquê de rosas brancas na mesa de centro no hotel de Ariana. No bilhete: “Para a minha querida Ariana: Você é a verdadeira obra de arte! Te amo demais, Mamãe.” Já faz quase um ano desde que eles escaparam de um ataque terrorista no Reino Unido que levou 22 vidas e deixou mais de 500 feridos no show esgotado da Dangerous Woman Tour, em Manchester. Ariana hesita em falar sobre isso. Por um motivo, a cicatriz ainda está muito recente, mas ela também não abre mão de que sua história não sobreponha a das vítimas. Então nós falamos por cima. “Quando eu cheguei em casa da turnê, eu tive tonturas sérias, sentindo falta de ar,” ela começa. “Eu ficava de bom humor, bem e feliz, e então [o sentimento] vinha do nada. Eu sempre tive ansiedade, mas nunca foi físico antes. Houve alguns meses seguidos que eu me senti tão de cabeça para baixo.” Ela compartilhou a experiência com seu amigo Pharrel Williams. Juntos eles criaram “Get Well Soon,” a música que encerra o Sweetener.

“São todas as vozes na minha cabeça conversando uma com a outra,” ela explica, antes de fazer uma leve serenata para mim. “’Dizem que meu sistema está sobrecarregado,’” ela canta, “e aí as vozes de fundo dizem, ‘Garota, o que tem de errado com você? Volte aqui.’” A versão de estúdio é um verdadeiro mil folhas de vocais, empilhando camada por camada da voz de Ariana até que ela aterrissa, completamente.

Joan estava na plateia na noite em que a tragédia aconteceu e relembra o caos. “Eu estava como um peixe nadando na direção errada. Todos estavam saindo, e eu estava indo em direção ao palco. A bomba explodiu, e eu olho para aqueles jovens com olhares de medo. Alguns estavam pulando dos assentos na parte de cima para sair. Eu comecei a juntar as pessoas. Eu poderia ter guiado eles…” Sua voz some, os “e se” são dolorosos demais para se imaginar. “Eu não sabia para onde estava indo. Eu só sabia que estava indo para a minha filha. Sem querer ser dramática demais – eu sofro com isso todo o dia – mas eu não sabia o que poderia encontrar quando eu chegasse nela. Eu simpatizo com cada pai que estava esperando por seu filho. Aqueles minutos que você não sabe o que está acontecendo… Não tenho palavras.”

Eles pegaram um voo de volta para Boca imediatamente, o futuro parecia incrivelmente incerto. Ariana chorava sem parar e mal falou por dois dias. Era difícil dizer se ela iria se apresentar de novo. E então Joan ouve alguém batendo na sua porta. “Era uma ou duas da manhã; ela se arrastou para a cama e disse, ‘Mãe, vamos ser sinceras, eu nunca vou deixar de cantar. Mas eu não vou cantar de novo até eu cantar em Manchester primeiro.’” Elas ligaram para seu empresário, Scooter Braun, e o concerto One Love Manchester nasceu, ajudando a angariar 23 milhões de dólares para o Fundo de Emergência We Love Machester. Sobre como o evento mudou Ariana, Joan diz “Ela agora ama um pouco mais sem medo do que amava antes.” Eu gentilmente abordo o assunto com Ariana, e só de mencionar Manchester uma grande lágrima desce por sua bochecha. “Você ouve essas coisas,” ela começa devagar. “Você vê nos jornais, você tweeta a hashtag. Já aconteceu antes, e vai acontecer de novo. Você fica triste, pensa um pouco sobre isso, e então as pessoas esquecem. Mas viver isso em primeira mão, você pensa em tudo de forma diferente…” Ela pausa, engolindo o nó na sua garganta. “Tudo é diferente.” Voltar aos palcos foi “aterrorizante.” Ainda é, algumas vezes. Ela dá os créditos aos fãs por serem sua maior fonte de coragem.  “É a coisa mais inspiradora do mundo ver eles lotarem uma arena”.

Eles rindo, segurando placas dizendo, ‘O ódio nunca vencerá.’” As lágrimas estão a todo vapor agora. “Por que eu hesitaria em subir ao palco e estar lá para eles? Aquela cidade, e a reação deles? Aquilo mudou minha vida.” Ela continuou até terminar o resto da turnê mundial, encerrando com uma performance no ‘A Concert for Charlottesville’, outra cidade cambaleando após uma violência sem sentido. Muitos dos artistas no top 40 – aqueles que, digamos, tem uma certa reputação – aparentemente relutam em se posicionar politicamente. Provavelmente, com medo de perderem fãs ou lucro. “Isso é loucura pra mim,” Ariana diz. Ela fala em voz alta e com orgulho sobre ser anti-Trump e se posicionou a favor da reforma armamentista e o ‘Black Lives Matter’. Eu pergunto se ela recebeu alguma crítica. “É claro!” Ela diz. “Há muito burburinho quando você diz qualquer coisa sobre qualquer coisa. Mas se eu não for falar, por que estou aqui? Nem todos vão concordar com você, mas não quer dizer que eu vou apenas calar a boca e cantar minhas músicas. Eu também vou ser um ser humano que se importa com outros seres humanos; ser uma aliada e usar meu privilégio para ajudar a educar as pessoas.” Para ela, o papel do artista “não é apenas ajudar as pessoas e as confortar, mas também instigá-los a pensar de forma diferente, levantar questões e pressionar seus limites mentalmente.”

*Ariana canta uma pequena prévia de sua nova música “R.E.M” em 3:30*

Há outra música no ‘Sweetener’ que eu julguei mal baseada apenas no título. Eu presumi que “The Light Is Coming” seria uma balada doce em resposta aos seus dias mais obscuros. Não mesmo. É uma faixa dançante com um baixo esmagador com a participação da amiga de Ariana, colaboradora, e ‘irmã mais velha,’ Nicki Minaj. (“É uma situação de pegar ou largar. Ela é melhor que tem, [no rap] masculino ou feminino,” Ariana diz.) “A luz está vindo para devolver tudo que a escuridão roubou,” Ariana cantarola. Mas então, o que é a luz sem a trevas? Eu penso na casa de Joan no Halloween, a festa do ‘Tubarão’, aquelas vilãs – e a estrela brilhante que tira energia de tudo isso.

Antes de eu ir, Ariana me mostra suas unhas para o Met Gala. Também é com “O Último Julgamento”, dessa vez estampado nos seus dedos, cada unha pintada de dourado com um pequeno detalhe de ouro em 3D. Os detalhes são de surpreender, e ainda assim é uma pequena tatuagem do símbolo feminino que chama minha atenção. É no seu dedo do meio. “É, vem a calhar,” ela diz.

Ana Liziane

Postado por: Ana Liziane


22 anos, Natal/RN